18 de outubro de 2011

CRIANÇA FICA PENDURADA NO TELEFÉRICO DO PARQUE DA CIDADE EM ARACAJU

Foram momentos de terror vividos por uma criança de aproximadamente 11 anos de idade ao lado da mãe. O passeio por pouco não terminou em tragédia. Segundo testemunhas, a mãe da menina foi a primeira a sentar-se em uma das cadeiras do teleférico. Quando a garota se aproximou para fazer o mesmo, o equipamento se movimentou arrastando a menor em direção ao precipício. Ela, rapidamente conseguiu segurar-se à cadeirinha e à mãe, permanecendo pendurada de uma altura aproximada de 30m. Até agora ninguém sabe como o equipamento destravou-se. Uma das pessoas que aguardava a vez, percebeu a aflição de mãe e filha, apertou  botão de emergência e parou o brinquedo no meio do desfiladeiro. Nesta hora apenas um funcionário manuseava o equipamento, já que, o outro, que fica na torre de comando(parte baixa do parque) havia deixado o posto para trocar a bateria do rádio comunicador. De cima, o funcionário e visitantes do parque faziam sinal para que o alguém lá embaixo determinasse o retorno da cadeirinha, mas, a mensagem demou a ser compreendida. Só aproximadamente 7 minutos depois é que a situação foi normalizada. Apesar do susto ninguém se feriu. Mãe e filha faziam parte de uma excursão que veio do interior da Bahia para passear no Parque da Cidade, em Aracaju, na tarde do último sábado,15. Só hoje, nosso blog teve acesso a estas fotos. A testemunha preferiu o anonimato.

10 comentários:

MOACIR IVANILSON MARTINS disse...

Realmente foi Deus quem conduziu essa pobre criança, más a falta de compreenção da mãe, pois a mesma sentar-se primeiro para depois colocar a filha, foi um caus. Esse é mais um motivo para se pensar em melhorar a segurança dos usuários desse meio de lazer e almentar o numero de funcionários, até mesmo uma equipe do corpo de bombeiros de plantão no local, ao menos nos finais de semanas e feriados.

Anônimo disse...

PARABÉNS PELO BLOG!
ESCUTO OPROGRAMA SEMPRE!!
BLOG MUITO ÉTICO E REALISTA! PARABÉNS! IMPRENSA NÃO TEM CULPA DE MÁS NOTICÍAS,IMPRENSA PDOE SER CRITICADA QDO NÃO DIVULGA OS FATOS! COMO DIRIA ALBERT EINSTEIN: AJANELA NÃO TEM CULPA DA PAISAGEM!!
PROF.CRISTYANO AYRES

Telmo Viana disse...

Evenilson, é um absurdo não tem sinto de segurança nessas cadeiras, tem que sentar com o equipamento em
movimento e as crianças ficam mais vulneravéis!

Anônimo disse...

PARABÉNS PELO BLOG!
ESCUTO O PROGRAMA SEMPRE!!
BLOG MUITO ÉTICO E REALISTA! PARABÉNS! AOS CRÍTICOS : A IMPRENSA NÃO TEM CULPA DE MÁS NOTICÍAS,IMPRENSA PODE SER CRITICADA QDO NÃO DIVULGA OS FATOS! COMO DIRIA ALBERT EINSTEIN: A JANELA NÃO TEM CULPA DA PAISAGEM!!
PROF.CRISTYANO AYRES

Aldaci de Souza disse...

Concordo que Deus a tenha segurado, mas discordo do comentário questionando a mãe em ter sentado primeiro.

Talvez se tivesse sido o contrário, a menina não teria conseguido segurar a mãe.

Aldaci de Souza

Anônimo disse...

Eu estava presente e vi que a mãe não sentou primeiro. Ela foi empurrada pela cadeira e se não sentasse teria caido no precipicio.

Anônimo disse...

O passeio é muito bom, mas relmente não tem segurança alguma, a barra de proteção para se ter ideia é segurada pelo pé, fica complicado até pra se movimentar, porque se vc tirar, corre risco da "trava" subir, já tive a oportunidade de ir neste teleférico em questão e senti medo, justamente porque não oferece segurança, é uma pena, pois o passeio é muito legal e a vista é linda.

Roger disse...

Procurando notícias significativas aqui do estado de Sergipe, me deparei com essa notícia e fiquei um tanto decepcionado. Também sou jornalista e não gosto quando dizem que o jornalismo daqui é fraco e sensacionalista, mas artigos como esse só dão margem para que falem tais coisas. Visitei esse teleférico três vezes, nas duas primeiras em feriados bem agitados acompanhando amigos que estavam visitando Aracaju e na ultima vez estive com minha esposa, como gosto bastante de engenharia fiquei muito curioso com a forma que o teleférico funcionava e fiz uma série de perguntas ao técnico, somando suas respostas com minha experiência com o passeio tenho algumas colocações a fazer.
1. O teleférico pode ser parado com a mão, não precisa de um botão de emergência;
2. O botão vermelho que alguém disse ser o de emergência, é uma trava para que o teleférico não fique parado sem que alguém o segure;
3. O teleférico possui um sistema de segurança, caso o cabo saia dos trilhos ele ira parar automaticamente, sendo que só é possível descarrilhar em baixo de uma das torres (onde está a torre nas fotos e pq nem a mãe, nem os outros passageiros estão desesperados no momento da ocorrido?);
4. Nos meus três passeios os técnicos orientavam todos os passageiros como se portar, e demonstravam um cuidado especial com crianças, inclusive aconselhando que as crianças não tomem determinadas atitudes (na minha opinião a criança estava virando de posição para ver o passei olhando para atrás como é comum em crianças);

Sinceramente como jornalista fico decepcionado, pq antes de denegrir a imagem de um estabelecimento que proporciona um atrativo turístico para Aracaju, você não procurou o estabelecimento para prestarem informação? Eu apenas em um passei consegui obter todas essas informações, imagine se vc conversasse com o responsável.
E ainda dizem que não precisa de diploma para ser jornalista.

EVENILSON SANTANA disse...

Roger, É pena não ter seu e-mail para te responder diretamente, mas, espero que veja este comentário: Primeiro, fico feliz que tenha acessado o nosso blog. Mais feliz ainda porque suas impressões sobre a área de lazer em questão são boas. Em segundo lugar agradeço as críticas. Apesar da sua arrogância no final do texto acho que no contexto dá pra se fazer uma reflexão. Preciso apenas lhe informar que eu, como morador do bairro onde está localizado o teleférico e entusiasta do turismo local, já frequentei por duas vezes o brinquedo, quando não, já estive naquele ponto alto a passeio. Oportunidade em que conversei com várias pessoas e infelizmente tanto a minha quanto as outras impressões não foram as mesmas que as suas. Refiro-me à insegurança das pessoas na hora de deixar o ponto de partida. Mesmo assim, nunca escrevi ou declinei nos programas de rádio ou que TV em que atuo, qualquer tipo de crítica irresponsável. Diante dos fatos, testemunhos e fotos, decidi publicar este. Diga-se de passagem, para seu governo, a empresa responsável foi procurada sim, mas, se preferiu não falar ao ivés de prestar esclarecimentos. Talvez você não tenha prestado atenção no conteúdo, mas, quem passou por aqueles momentos de terror sabe bem o que viveu. Certamente ela não falou bem do nosso Estado aos irmãos baianos. Uma coisa eu lhe garanto: numa próxima vez que você for usar o brinquedo ficará mais atento. Isso, graça a reportagem! Por fim, fico feliz também por você ter estudado jornalismo e espero que esteja atuando bem na área. Ou, quem sabe, tenha buscado fazer também engenharia. Ah! Como posso ser entusiasta do turismo local e exibir um fato negativo de um dos pontos turísticos da cidade? bom, já que você estudou mesmo jornalismo, então responda. Abraços!

Ton disse...

Boa tarde!

Li os comentários e lamento se algo desse tipo realmente ocorreu, tanto em relação ao incidente como em relação a postura do funcionário do parque que não prestou informação quando procurado. Procurei me informar do ocorrido junto a administração do teleférico e do parque e obtive outra versão do que aconteceu, inclusive algumas condizem com o que Roger colocou em seu comentário. Pelo que conversei com os técnicos, pelo que eles demonstraram e a forma como conduzem as pessoas, não vejo como aquilo poderia acontecer, mas era outra equipe e administração, da mesma forma eu não estava presente para afirmar algo. Atualmente trabalho junto ao teleférico, e fico a disposição para qualquer esclarecimento, dúvida ou informações. Gostaria inclusive de convidar Evenilson para um passeio e uma conversa afim de demonstrar o quanto é seguro o passeio e o quanto a equipe que atualmente trabalha no teleférico é preparada. Qualquer coisa pode entrar em contato pelo email telefericodearacaju@gmail.com.